Janela Poética I

Jorge de Souza Araújo

 

 

Ilustração: Thaís Arcangelo

 

JOGO

 

Quando afinal o que não se diga
eu o imponderável lógico matemático
querendo-me aberto patife herói safo
discurso que não esporre ou ex-porre
o húmus da terra me cobrirá
ou a gala o cuspe o vômito do mundo
se farão o lanho das minhas carnes e feridas?

Com essas dúvidas
estarei reencontrado e pronto
para o sacrifício
se em dia de intensa morte
louco de ver-te e te perder
eu te puder manter na ponta dos meus dedos
e com eles trocar a incúria e o terror
dos olhos do povo
por tua presença, liberdade

 

 

***

 

 

NADA SOSSEGA O HOMEM

 

Nada sossega o homem nada
o acalma nada o amansa
que não o amor

nada aflige o homem nada
o amarga nada o suprime
que não a opressão

Nada sucumbe o homem nada
o dilacera nada o subjuga
que não a inconsciência

Sejamos pois
……………..fome ao amor
……………..firmes à opressão
……………..fortes à inconsciência

Votemos nada a tudo o que seja
contrário ao homem
Vivamos fartos o destempero do sem-ódio
do sem-medo do sem-nada
Joguemos livres o lá de nossa paz

 

 

***

 

 

NESTA ILHA V

 

Nesta ilha
não me arquipélago
noutros largos (inexistentes)

ouço
ventos gemendo ausências
nas vidraças, polifônicos

e me guardo
do apocalipse dardejando
sinas, sinos, senões

 

 

***

 

 

VADE

 

O segredo não está no aceite de uma relatividade
nem no acinte de uma vã docilidade
Cumpre e urge no entanto
dar curso e recurso a esta longa sensação de ácido:
a vida
Quem com ela advir-se
descobrirá incertos fios invisíveis a tecer
Maio deste ágio imponderável
bússola sem reparo decaída árvore sem sumo
a vida é uma mulher cega cantando ladainhas no adro do tempo
Não há como esquecer-se:
para encontrá-la, à vida
nada como embriagar-se e ver de novo
seu renascer assim papoula desgarrada
em tarde quieta e loucas laudas
de um sequer talvez quem sabe porventura

 

 

***

 

 

DATUM

 

E se de repente
me fosse dada
a sentença da vida
e da morte

eu escolheria
ficar na terra
cheirando a terra
comendo a terra
vivendo a terra
em sangue
em seiva
em salva
e mel (ou fel)

 

 

(Jorge de Souza Araújo é poeta, Mestre e Doutor em Letras pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e ex-professor de Teoria da Literatura, Literatura Brasileira e Literatura Comparada na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Dentre suas publicações, estão: “Os becos do homem” (poesia – Rio de Janeiro: Antares, 1982), “Profecias morenas: discurso do eu e da pátria em Antônio Vieira” (Salvador – Assembleia Legislativa/Academia de Letras da Bahia, 1999), “Dioniso & Cia. na moqueca de dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado” (Rio de Janeiro – Relume Dumará, 2003), “Floração de imaginários – o romance baiano no século 20” (Itabuna: BA, Via Litterarum, 2008), “Essa esquiva e dilacerada fauna” (Contos – Ed. Mondrongo, 2012)

 

 

 

 

Clique para imprimir.

1 comentário

  1. Caríssimo Jorge,
    Maravilha encontrá-lo aqui na companhia de Leila e de Fabricio. Maravilha, esses poemas tão próximos dos meus anseios. Maravilha, ouvir essa dicção na medida certa do velho grapiúna de Água Preta. Já dizia um velho professor: Quem sabe faz. Aprendi a bater palmas, é o que faço tirando-lhe o chapéu, mais uma vez.
    Um abraço do velho amigo,
    José Carlos

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *