Janela Poética I

Rita Santana

 

 

Foto: Rosa De Luca

 

 

 

Agrestidade

 

Tornei-me bruta
Após travar batalhas de tentares.
O tear do tempo cumpriu-se dentro do universo
E eu apenas cedi ao fim.
Almocei nua no último banquete
E acendi velas à mesa.

Arrumei minhas tralhas e deixei-as
Alheias aos venenos da aorta,
Aos anéis do abandono.

Deixei o feérico, o cupim, a cumplicidade das rotas.
Fiquei à deriva de mim mesma.
Feita toda inteira de atordoamentos
E mutilâncias.

Arrebatada de almas.
Pouco morta.

 

 

***

 

 

Esbeltez

 

A quem minha embriaguez seca,
Meus depósitos de pele crua,
Minhas vastidões interrompidas,
Meus abortos clandestinos,
E o meu destino de santa?

A quem ofertar minha Esbeltez
Sem alicerces, nem cárceres,
Nem desbravadas cercanias
Que alimentam a vitalidade
Da minha alma ainda à toa,
Na invasão das tormentas?

Equilíbrio algum
Invalida meus anseios.

 

 

***

 

 

Catedral de Marfim

 

Ele atropela regras de pertencimento
E toma posse dos meus feudos,
Naufraga em meus açudes rasos,
Desperta carícias clandestinas
Na corporeidade do desejo.

Decifra meus rastros arrastados no chão da Casa,
Lambe o osso exposto do meu sexo,
Rompe seus votos de castidade,
E me põe à vontade em sua Catedral de Marfim.

Ele é assim, afeito aos meus mistérios
E dono testamental dos meus dotes.

 

 

***

 

 

Crepúsculo das Vertigens

 

Ante o teu olhar de céu marítimo,
Cedo oferendas ao teu cinismo-seco.
Crepusculo raízes de verdades verdes,
E ainda assim, quero-te meu!
Apaixonado e obscuro-louco,
Encantador das minhas servas serpentes.

Mente quem olha em silêncio
Tua brandura!
És ofertado a escândalos de botequins.
Tens no nome um Império de mangues,
E no meu lodo escavas pepitas,
Pratarias de negra apanhada
Em arrecifes de ciúmes.

Vingo-me perante o ópio epiderme de teus olhos
E morro a cada romper de casco sobre pedras.

 

 

***

 

 

Ílio

 

Osso meu,
Na ilicitude dos meus requintes.
Cravado em terreno fértil de flamas,
Abnegado esterco na orgia
Dos meus desacertos correntes,
Corpórea mácula na vértebra do meu querer.

Homem Ilíaco!
Indagam sobre minhas adegas
E meus repastos de fêmea acometida
Pelas danosidades da carne.
Indagam sobre minhas vestes e os meus vexames.
Apontam-me entre as professas
Enquanto devassam meus pergaminhos
De mulher conhecedora de homem.

Indagam sobre os meus tormentos
Indagam sobre certas Adagas
Fincadas no lastro da minha cama.

 

 

 

(Rita Santana é atriz, escritora e professora. Nascida em Ilhéus, Bahia, iniciou sua carreira literária em 1993. Possui artigos e contos veiculados em revistas e jornais. Recebeu, em 2004, o Prêmio Braskem de Cultura e Arte – Literatura pelo livro de contos “Tramela” (Fundação Casa de Jorge Amado). Além de integrar antologias, publicou os livros de poemas “Tratado das Veias” (As Letras da Bahia – 2006) e, mais recentemente, “Alforrias” (Editus – 2012))

 

 

 

Clique para imprimir.

8 Comentários

  1. Sou fã do trabalho de Rita Santana. Seus poemas são cheios de imagens vivas. Há que se ler sem piscar, porque qualquer distração nos priva da boas imagens. Poesia boa é isso, cheia de força e ritmo. E desses dois trunfos poéticos, a obra da Rita está cercada. Parabéns pra poeta e pros editores da Diversos.

  2. Execelente a escrita de Rita, Tenho o prazer de conhecer agora e fiquei encantada com a força e o ritmo.

  3. Parabéns para Janelas Afins por postar e a Rita Santana por criar poemas tão carregados de sensualidade e de tão corajoso despojamento.

  4. Desde que conheci a poesia de Rita Santana, e Rita, encantei-me com essa mulher que expressa na poesia sua força, sua beleza, sua relação com a vida de um jeito original. Tenho a honra de tê-la como parceira em livro, projetos, e sua amizade rara e única. Diversos está trovejando e relampejando, com a poesia de Rita.

  5. Ritinha,

    “… equilíbrio algum invalida os meus anseios”

    Nenhum equilíbrio invalida os anseios de todos nós, pois que vivemos permanentemente na corda bamba desta nave universal. A poesia, no entanto, minha amada, nos livra da queda eterna.

    Parabéns pelo poema que me fez pensar na vida!!!

  6. Olha o tesouro que eu ganhei de presente dessas Mulheres destinadas à Arte! Grata a cada uma delas pela apreciação dos versos e pelo carinho que manifestaram comigo! Hoje a Poeta está mais contente, mais desejosa!

  7. de arrepiar esses poemas da Rita. Mas o primeiro é fenomenal!

    sou fã :)

  8. Ritinha expõe nossa alma em seus poemas. Escreve o que não somos capazes de expor em palavras. Para isso, Deus nos concedeu os poetas, fazer o que não somos capazes. Vida muito longa e mais poesia para nos encantar. Mil beijos. Shirley Gomes

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *