Janela Poética II

Tristan A. Guimet

 

 

Foto: Rosa De Luca

 

 

24

 

Sei perfeitamente. Ensejo saber que existem páginas brancas
desalinhadas da sua pele que artilham colisões acomodadas pela
força da iminência.
Às vezes recorro amedrontado ao luzir dos presságios, à precavidade
da noite, à temerária impaciência do sono.
herdamos pelas encostas do sangue
o momento pela repartição do impossível
o eixo da corrente nocturna
a delicadeza da palavra intangível do seu espaço
o recreio inexplicável do absoluto, o irreprimível mistério
pelo teu nome
que encadeia – as mãos submersas.

 

 

***

 

 
Fogo Posto

 

gosto muito devagar
o movimento insinuante de um gato
quando calmamente atravessa as paredes,
devagar as mãos descobrem iníquo os rasto dos dedos
devagar,
para não perturbar a sonolência dos espelhos.

 

 

***

 

 
As linhas traçam a brancura do medo
procuramos a afabilidade do silêncio
sobre a ingenuidade da terra
Escrever é um acto tardio                  que
Existe na perecível arritmia de toda a ausência.

 

 

***

 

 
O Caminhante

 

a Bruno Pereira

 

Mostra-me um pouco o recanto
de um homem sobre a fé de um cego
Recorda-me melhor a cadeira
dos sítios de nunca
Bebo um pouco mais de vinho
que penso ter na caneta,
Devora-me o caminho das chuvas
que me enviaram no pensamento
húmido da tua voz
Alheamente aceito a partida de um corpo
soletrado na origem frágil do encadeamento da queda.

un, deux, trois.

Au revoir.

 

 

(Tristan A. Guimet, 23 anos, jovem poeta de naturalidade francesa, de pai francês e de mãe chilena. Imigrou para Lisboa em 1998, onde a língua portuguesa tornou-se, hermeticamente, a sua “primeira morada de silêncio”. Estudante de Letras na Universidade Nova de Lisboa)

 

 

 

 

Clique para imprimir.

1 comentário

  1. Excelente, K.

    Keep it up.

    Abraço,
    Rui.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *