Janela Poética II

Carina Carvalho

 

Foto: Milena Palladino

maritacas

desisti dos pêssegos
por medo aos ferimentos.
pesam muito à natureza as dores que os homens carregam em sacolas abafadas.

às outras frutas fiz buracos na casca,
e me movi branca pela polpa.
pela manhã descobri que cantava com coragem:
há no sumo quando desce a goela um quê de amor pelos que viajam.

este dia quis sumir-se sonoro-suculento nas montanhas antes que lhe viesse o podre pelos maus-tratos.
ou que maltratasse a si: o bico descendo forte no tórax, arrancando as penas desde o cálamo.

 

 

***

 

 

eu lírico

 

concluí, olhos apertados:
dói é nos canais suspensos

o cão da casa (por exemplo)
junta as patas na cabeça
e geme
os quatorze anos que lhe entram pelo ouvido

um pacto dormente meu arquejar
porque, durante o sono,
o corpo não tem certezas. pudera:
horas de bruços e do peito, lembrei,
fiz corredeira

tais as olheiras

diabo de choro, sim, rosto disforme até
a reconhecer-se de minuto
só no que é profundo

no mais, depois dos olhos abertos
tanto quanto podiam num dégradé
de poros escurecidos,
lamenta-se

.o preço dos tomates-cereja
.a pintura da casa (uma cor tão feia! cor de gaitista sonolento em garoa
fria. calcule quão antiquada é essa imagem)
.as plantas que secam
.a carne tão fraca, os restos do pouco

e a minha falta de etiqueta:
oh, desculpe o não comparecimento!
nestes copos há menos que um dedo de coragem
e a má postura faz que me doam as costas
por dias inteiros

cotovelos na mesa, mirei o sol com lupa;
meus olhos sumiram
numa ardência de verbo lenta
e assim articulamos ambos:

de.ti um poema do dia
de mim
a ti

 

 

***

 

 

que permeia um casulo

 

a casa é que estala
tardes longas de azul pálido
na mudez do corpo

estendidas – as tardes –
num varal que zumbe, por exemplo,
o som vago da carne,
desse pouco

que é o corpo.
que é o corpo?

.

outro dia uma movimentação tão fluida escorria
(não estalava nem estendia),
escorria uma movimentação tão fluida outro dia,
que, meu amor, o sentido de tanta moradia não escapou
por pouco

 

 

***

 

 

o poro a pele

 

antigo afeto que lhe ofereça
toques moles,
comedimento nas conversas,
um afago cru

.

mas não,
jamais quis morar em peito tão vago e sem janelas abertas

fazer barulho raspando o fundo
levar do doce o que lhe é mais íntimo;
degustá-lo nu

 

 

(Carina Carvalho é paulistana. Estudou Letras e trabalha na área editorial. Seus textos estão em algumas revistas digitais de literatura e na 3ª edição impressa da Revista Celuzlose. Tem se arriscado em balé e fotografia, mas com pouca convicção; já a literatura a atrai tanto quanto a luz das cozinhas pela manhã. Acaba de publicar seu primeiro rebento, Marambaia, pela Editora Patuá)

 

 

 

 

Clique para imprimir.

2 Comentários

  1. Adoro ler Carina Carvalho. Instigante, normal, intriseca e arrepiante. Boa leitura
    visite o meu blog http://www.aspaginaspoeticas.blogspot.com

  2. :D

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *