Janela Poética III

Juliana Amato

 

Neuza Ladeira

Pintura: Neuza Ladeira

 

trilha sonora
Liszt
por Gyorgy Sandor
minha velha amiga, estamos em 1946

 

agradeço sem palavras sua aparição
a lembrança do meu nome
agradeço as gravatas
as admiráveis gravatas e lamento
a sua ausência

aqui tudo vai intranquilo
mas me acalma o instante
ver sua alma disposta
ao vento que passa

(sua alma
nebulosa)

é verão na borda do atlântico
faz sol e mar mas não podemos
não, não podemos agora

 

 

***

 

 

hace um año que te fuiste
tan pronto irás, una vez más

neste exato momento me vejo num quarto
fechado
frestas abertas, a janela
você ainda criança atrás da cortina
observa

você, observo seu olhar
compreende:
não existe mãe no brasil
não existe casa, essa casa, aqui

há o futuro e há tudo
há milhares de rochas
pedras pontiagudas
traiçoeiras

pensa na sua casa
sua casa tão longe, aqui,
uma pedra quente
e lisa

 

 

***

 

 

de M. para F.
inverno, 2011

 

assim recomeço depois da demora
culpa do A aberto
do caos, da casa
do novo fôlego

continuo longe as roupas estão
no devido lugar
(é possível sim dividir com
estranhos, e sonhos, oui)

no vagar, nunca fui a porto alegre
sequer ao porto
mas às montanhas
ao novo ano
ao branco puro aos amigos fui
à irremediável fronteira
da língua:

randonné significa
escalar a neve
descobri a 2 mil metros do chão
e alguma ideia na cabeça
para um papel

DEZANOTAÇÕES SOBRE A POESIA
assim recomeço, me perdi
vi Baudelaire milimétrico, construído
pela primeira vez
pois bem há os que ganham
por pontos
os de nocaute
e os momentos amargos
que já passei

projetos poéticos passam a perna
p-p-p-p
o projeto poético, um enganador
eu, um muito menor (debutante
no auge da hysteria – saltinhos)
um projétil, nenhum rimbaud
nem meio rilke
muita potência, pouca questão

as solas dos pés ardem no chão
os olhos não estão prontos
para rever

o resto desse que se vai
fica e lança um abraço
demasiado
apertado

 

 

***

 

 

DE V PARA M

 

saudade

é você
fumando pela sala
e falando espanhol
tudo errado

 

 

***

 

 

: )

 

saudades da nossa voz jovem
há meses por aí e eu aqui
é mais difícil pensar em você agora:
você, difuso, seu corpo, eu e você
não lembro
mas lembro

como era fácil
como era possível
como eram as noites
as manhãs enfim

bom saber, você ainda existe
e sabe que eu existo
à nossa maneira

é tão bom saber:
você ainda existe
que mando lembranças
e espero que goste

 

 

Juliana Amato é paulista. Edita, traduz, revisa e escreve. Publicou em sites, coletâneas de contos, de poemas, de traduções – reais e virtuais. Tem muitos projetos que ainda não saíram dos planos, mas entre os que já existem estão: Brevida (EDITH, 2011), diário aleatório – site/livro em parceria com Thany Sanches e JEZEBEL, ilustrado por Mariana Coan, integrando o projeto Boca Santa. Os poemas selecionados fazem parte de correspondência, seu primeiro livro de poesia, a ser lançado em agosto pelo selo Poesia Menor. Escreve há algum tempo no microclima, que está um pouco abandonado, mas pretende renascer dos escombros.

 

 

Clique para imprimir.

2 Comentários

  1. Gente, que poemas melancolicamente lindos!!! tive que ler “hace um año que te fuiste
    tan pronto irás, una vez más
    neste exato momento me vejo num quarto
    fechado” umas três vezes…
    todos poemas de saudade, de lonjuras…
    Parabéns!

  2. Fico me maldizendo por só agora ter contato com esse trabalho ótimo da Juliana Amato. Quero notícias do livro. Quero conhecer mais. Quero publicar poemas dela na série AS MULHERES POETAS…Por favor, aguardo dicas. abraço e parabéns.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *