Janela Poética IV

Marina Tadeu

 

Foto Marina Tadeu em Honor Oak Park, Londres

Foto: Marina Tadeu / Honor Oak Park, Londres

 

Todos os poemas escritos na cama
como todos os poemas escritos na cama
até este depois de turno nocturno
de limpeza sem credibilidade teatralizada
pela encenação de um underground
de bom gosto declamatório e lençol revolto familiar
de sangue, não afectam a raposa
correndo ao lado da rata em Camden Town
ou a ave sobrevoando fífias ao piano
ou o basalto de Sir Richard trauteando
“I Am A Rock”, nem extravasam para a carne
todos os poemas de bruços na cama
sem vossos braços dormentes ao longo
de costas vergadas por tantos poemas de lado
como devem ser todos postos instáveis
à superfície, respirando biologicamente ausentes
pelo vento
todos os poemas escritos na cama
aguardam correcção
até se ficarem dispensando
ornamento referencial, diálogo com os que lemos
nossos mortos e vivos sem despedida,
denúncia, homenagem
à dor exclusiva que não nos pertence
a pedir correcção, sim todos os poemas, talvez muitos
meses, anos, o resto da vida a pedir correcção
na máquina que nivela
todos os poemas de beleza e crueldade
incomparáveis como…

 

 

***

 

 

… Peixes vislumbram cores
incapazes de processamento
nas cabeças quadradas
que virão. Milhares
de cores sem nome por debaixo
a que nos cegamos
mais altivos que um polegar à boleia
em isco apanhado pela mão de Noé.

Se ao menos tivéssemos chegado atrasados como o unicórnio, o
ciclope, o centauro, pegasus, hidra, esfinge e tantos outros. Se ao
menos a barca se tivesse afundado e nós mais impressionantes.

Já por cima a luz difere
dobrando tempo em quartos
com idades de massas,
ordeiras evoluções
hierarquias
preponderâncias sobre outras
de modo a que o tempo tenha até o seu tempo
metido no lugar.

A responsabilidade de habitar
a caixa de buracos é a ventilação
mas sempre que pedimos ar
explicam-nos tudo com a
convicção de uma auréola
de iluminura atmosférica.

Mas o brilho também vem dos nossos olhos
molhados como peixes sem leme
num aquário com espaço
delimitado, fácil de governar
como quem está mais à vista
que o lugar que habita
e onde mesmo impressões
de vossos dedos nos vidros
circulam, digitalizadas
embaciando visões.

Por ora, é científico.
Estamos mais dependentes
de regras e sentidos
do que o orfanato da espécie.

 

 

***

 

 

Querem ganhar ignorando
os sublevados os rebaixados as moscas
e provam nas normativas bocas
os mesmos gostos mastigados
em círculos omnívoros
a rebentar por todos os lados
e para disfarçar sempre rezam
a mesma cantiga de escrúpulos
no terreno empapado
fedendo a músculos
azedados ajoelhados
querem ganhar querem sumo
sem retorno à fruta descartada
para a frente se acotovelam
à porta de Maggot’s
clube subterrâneo
para agradar encantar
com evidência selectiva
uma raça bichosa aparte
querem ganhar defendendo os úteis
que os desdizem e os mordem
como pulgas em vertebrados
amestrados na clausura da arena
querem ganhar com o ganho
com os restos com os trocos
a sair-lhes pelos poros
perdoando e derramando
de olhos baixos lágrimas
que não lhes salguem as feridas
e sobre palavras em chama
metem a mão que afoga
enquanto brilham
e já nem respondem
os querem tanto ganhar a vida
como quem não ama
uma causa perdida

E são de uma certeza espantosa

 

 

***

 

 

Fado consolado

 

Muito tempo a tempo perdido
mas ainda o mesmo ar respiramos
esse milagre digamos amigo
já não é mau.
Nesta moleza de tudo o frio é limpo
nos dedos voltados para dentro
amigo
o toque com que afinamos o tempo
já não é mão.
Em breve sabes visitarei nossa cama
em terra violada a querer mais violão
acordando esta lágrima que em chama
já não é mar.
Só me sobra perdição
pois sabes
meu tempo é mau
não tenho mão
não sei nadar.

 

 

***

 

 

Imóvel

 

estupor como te quero escorrendo
miudinho pelos telhados à luz
para a cabeça debaixo da pedra
arrefecida mas voando
inabalável pelos pássaros
que nela estanque pousam
fugindo à bola passada por
pés pequenos entre ruínas

pelo ar fora imobilizada
cabeça rompe a pedra
sem um grito

e passada a atmosfera
não dói
no cristal gelada

a mão aberta
ao aranhiço

a estrela

 

Muito prazer, sou Marina Tadeu dizendo coisas como você.

 

 

Clique para imprimir.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *