Janela Poética V

Ehre

 

Neuza Ladeira

Pintura: Neuza Ladeira

 

bosko admira

 

O tanque de guerra
é uma grande escultura
As armas não disparam sozinhas

Emborca-se o tanque
uma flor de ferro moderna
As armas não disparam sozinhas

Um avião de guerra
pode lançar grãos e lírios
As armas não disparam sozinhas

O ventre da terra
aos corpos, agora serve de abrigo
As almas descansam

 

 

***

 

 

a la carte

 

I

Para seduzir a carne
Jesuína tomava ervas, folhas, azeites
Quando no início da tarde
todos à mesa respiravam a ponta dos dedos
ela salpicava amor pelos olhos
O tempero

II

Para se desfazer dos cortes
entre esperas e descaminhos,
Cecília jejuava relógios alimentando-se de certezas
Havia outro sabor depois da faca
A sobremesa

 

 

***

 

 

júlio

 

A esperança é uma flor desenhada na pedra
É esperança o calor que o inverno não mata

Ele repetia as palavras como um mantra
ensinando os olhos a ver o invisível
ensinando os pés a caminhar sem estrada

Ele, mesmo sem fé, rezava
Deus acreditava nele

 

 

***

 

 

(trinta e dois)

 

Se amanhã não acordasse tarde,
com cheiro de taça
e lista de resoluções,
seria outro ano e seu começo?

Se a televisão não nos contasse
.do primeiro a nascer,
da procissão dos Navegantes,
da queima em Copacabana,
..da São Silvestre rendida ao Quênia,
nem da contagem regressiva da Times Square,
.uma maçã cairia?

Se amanhã acordasse cedo,
feito um ator que esqueceu a fala,
……………………sentiríamos frio?

Uma cortina sobe e não é janeiro.
Improviso…

 

 

***

 

 

nega

 

Na varanda e salas de jantar,
os lábios não negam.

Morenas moram na baía dos santos e pescadores
e vivem banhando-se de sol e canela
ainda que estrelas
ainda que o verão não aconteça.

Negra é morena.

Negros, filhos de negros
e bisnetos de pretos são também morenos.
Pais de negras
e de negro baiano
nem preto ou mulato,
moreno.

Nos quartos e banheiro,
o espelho…

 

 

Ehre. Nasceu aos onze meses. Aos nove, ainda não sabia que viver era um mergulho para cima. No tempo que tardou para nascer, colecionou espantos. Muitos deles revelados nas janelas dos poemas. A cada dia aprende que escrever é um mergulho para o fundo.

 

 

Clique para imprimir.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *