Janela Poética V

Adriane Garcia

 

Cristina Arruda

Arte: Cristina Arruda

 

Espinhos

 

Amar sozinha
No meu espelho
As rugas de um
Silencioso desespero

Andar parindo
Os meus vermelhos
Calar ouvidos
A cada voz do vento

Carpir lembranças
De uns pensamentos
Mãos na cabeça
Enlouquecer de dentro

Colher as rosas
Manchar as mãos
De apertar caules
Para gozar o amor.

 

 

***

 

 

Que até dói

 

Eis que seu rosto
É imagem de um sonho obsessivo
Eis que
Sua pele gruda-me em memória
De células
Eis
Que não durmo
A menos que tivesse alguma
Certeza de encontrá-lo
Oniricamente
Eis que
É loucura apegar-me
Assim
À loucura
De amá-lo assim
Eis que
Tem-me
À flor
Dos ossos.

 

 

***

 

 

Se

 

Se você tivesse sido amado
Na hora improvável
Se apenas naquele momento
Estéril
Da crença de que só se poderia
Ver com os olhos
Tivesse havido o meu sopro
Na curvilínea do seu pescoço
E se pequenos pelos tão
Imperceptíveis
Tivessem se eriçado à
Luz da minha boca

Você seria outro homem
Eu seria outra mulher.

 

 

***

 

 

Privacidade

 

Antigamente eu mexia
Na tua carteira
Na tua mochila
Nos teus bolsos
Na gola da tua camisa
No teu celular
Eu lia os teus perfis
Os teus murais
Hoje, jamais
Ninguém vai
Invadir-me desse jeito.

 

 

***

 

 

Clave de sol

 

Esperei você de silêncios
E durezas
Enganada, eu nem ouvia
Que o amor vinha
Devagar
Com música.

 

 

***

 

 

Antes do ponto final

 

Ame-me logo
Ame-me agora
Ame-me antes
Que

 

Adriane Garcia, nascida em Belo Horizonte/MG, em 1973. Historiadora, funcionária pública, arte-educadora, atriz. Escreve poesia, infanto-juvenis, contos e dramaturgia. Venceu o Prêmio Nacional de Literatura do Paraná, Helena Kolody, com o livro de poesia Fábulas para adulto perder o sono.

 

 

Clique para imprimir.

3 Comentários

  1. Muito boa sua poesia, Adriana. Espero continuar a ler seus versos sempre.
    Maria

  2. Boa noite, Adriane. Li seus textos. Particularmente, gostei desse:

    Antes do ponto final

    Ame-me logo
    Ame-me agora
    Ame-me antes
    Que

    Aproveito a oportunidade para lhe fazer uma pergunta: na sua opinião, o que define a poesia pós-moderna? pós-concreta? ou, de outra forma, quais as “características originais” da poesia contemporânea?

    Parabéns pelo trabalho!

  3. Adorei a PRIVACIDADE na forma de admitir que detestaria ser invadida daquela forma.
    Parabéns!
    Neuzamaria erner

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *