Janela Poética II

Ana Pérola Pacheco

 

 

Ilustração: Thaís Arcangelo

 

 

Quando quebrar não é suficiente

 

A vida me causa espasmos
E eu permaneço ao chão
Um caco que não quer adentrar – e não vai!

Uma ferida aberta, que jorra
Que glorifica o prazer de
Ainda suspirar – e sorrio!

A vida me intensifica
E sobretudo,
Acredito e cicatrizo – continuo!

 

 

***

 

 

fragmento

 

Achava legal a superficialidade porque a comparava como as bordas das coisas, como as cascas das frutas, onde, por exemplo, fica concentrada a essência do sabor. Depois, aprofundar qualquer coisa que fosse, era preciso coragem. Nem todo mundo está disposto a espinhar-se. Os dias soltam venenos. Os dias superam. Amanhã o céu será mais azul, e mataremos a sede no suor que escorre sal-ga-do!

 

 

***

 

 

22:22

 

toco o breu, meio ao jardim na sua cabeça de rosas
……………………………………………………………………………..sangrentas
 ……………………………………….e salivo.
paladar só assim.

infinito.

 

 

***

 

 

Ela queria ser seu casaco inúmeras vezes. Não! Não falo deste grudado no seu corpo que insiste substituir a quentura da minha alma, aquecendo sua meia-estação. Ela se refere ao que você leva nas mãos em caminhadas noturnas. Ela fala deste, deste que te faz decorar cheiros.

 

 

(Ana Pérola Pacheco (RJ – 1988), mora em Florianópolis, é poeta, fotógrafa, tem ensaios publicados na Revista Ellenismos, exposição fotográfica e conto na Revista Cruviana. Além de escrever em redes sociais e em seu blog Sentidos, é colaboradora no Poesia: Falsidade Ideológica  e no projeto infantil Para Qualquer faz de Conta e atua também na área de Recursos Humanosma qual é graduada)


 

 

 

 

Clique para imprimir.

2 Comentários

  1. Estive aqui apreciando cada sílaba e o natural questionar-se sobre a ordem das coisas, o que você faz com sutileza e precisão de linguagem.
    Estive aqui contemplando a sua fala moldada não apenas para o meu deleite, mas também para minha reflexão.
    Abraços,

  2. A Ana Pérola possui uma delicadeza que comove e inspira.

    Admiro pessoa e trabalho tanto como fotógrafa quanto poeta.

    Beijos tantos…

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *