Janela Poética VI

Vítor Nascimento Sá

 

Foto: Rosa De Luca

 

 

POÉTICA

 

I

 

Ser capaz de colher,
na árvore de Mallarmé,
um punhado de sementes,
transformá-las em estrelas negras
e compor uma constelação
sobre o céu branco do papel.

Entre o barulho e o
……………………….silêncio

Deixar o vento amalgamado
num móbile
……..da
………..sala
……….de
………….estar.

 

 

II

 

Nesta mesma escrivaninha,
um texto por encomenda:
angústia.

Prazo, quase findo,
lugar marcado,
papel em branco.

Um amigo, ao telefone,
questiona a validade,
a importância das
digitais sobre o teclado.

Mais uma gota de suor,
mais uma xícara de chá amargo,
mais litros e litros
de vazio até a escuridão entrar pela janela.

E, mais, uma vez,
adio a primeira linha
para o dia seguinte.

 

 

III

 

de pronto dilata-se
……..    minha ideia
e me faz maior
que o universo
então tudo se aquieta
……..    em mim
estrelas
……………..soar de sinos
……..    fundos mares
verbos de outras
terras
……………..virgens
são minha alma
sob o manto enviesado
a empreender mantras
tudo absolutamente tudo
em minha poesia

ou em mim
quiçá até o inexistente
o que equivale dizer
que é ela também o nada

para além do que se sente

minha poesia é um desmentido
……..    em jornais de folhas rotas
………………guardanapos nos bares da esquina

é quase tudo
inda
é muito

porque é arte de tudo dizer com o mínimo possível

é o limite entre os sons e os completamente silentes

para o resto ela é só uma porção de dúvida
diante da certeza dos que se pensam contentes

 

 

IV

 

Muito antes deste poema,
fui forçado a escrever o meu braço,
sustento de mãos, colegiado de dedos e sonos.

Muito antes deste poema
a saliva estava para teu corpo
assim como o rio está para o barco
ou para o cão a observar o seu curso.

Jamais entenderás a solidez
de minha primeira água.

Ainda não liquidada,
a energia devorou
meus dedos de escuridão,
abismo, ausência.

Foi esse então o primeiro facho.

 

 

(Natural de Maracás, Bahia, Vitor Nascimento Sá é gestor escolar, revisor e professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, licenciado em Letras pela UESB em Jequié e mestrando em Literatura e Diversidade Cultural pela UEFS. É diretor e cofundador da Associação Grupo Concriz: Poetas, Recitadores e Afins. Tem textos publicados nas revistas Verbo21 (BA), Blecaute (PB), Correio das Artes (PB), Cronópios (SP) e Laboratório de Poéticas (SP). Participa da antologia Sangue Novo: 21 poetas baianos do século XXI (2011))

 

 

 

Clique para imprimir.

1 comentário

  1. Uma metafórica lição ou não seria poética. O conjunto mostra o quanto és tão bom artesão. As palavras parecem se curvar ao seu manuseio dando-lhes novos sentidos, criando uma atmosfera que seduz à medida que se alcança a tensão máxima obtida em cada uma delas. Parabéns!
    Abr.,

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *